Residência – Escola

Este Projecto de Formação e Educação Artística, a desenvolver ao longo dos quatro anos, é simultaneamente um projecto
artístico e pedagógico.

A Residência-Escola funciona como complemento ao ensino secundário especializado. Pretende-se que os alunos em regime
de residência estabeleçam contacto com os Artistas em Tutoria ou residentes no âmbito do Projecto Pontes, fomentando
a importância do diálogo entre o artista emergente ou consolidado e o estudante do ensino secundário especializado.
As actividades têm lugar nos laboratórios Campus e Comuna apresentando condições ideais para o desenvolvimento de
projectos artísticos e espaço disponível para trabalhar em diferentes escalas em termos de capacidade tecnológica, apoio
técnico e artístico adequado às especificidades de cada projecto que em contexto de sala de aula não seriam possíveis.

Esta actividade que decorre com a Escola Artística António Arroio desde 2014, pretende aqui ter o seu natural
desenvolvimento no quadro deste projecto, perspectivando a possibilidade de abertura destas residências a novas escolas.
Destaca-se a experiência obtida com a Escola Artística António Arroio que a apresenta como fundamental para o
desenvolvimento artístico e curricular dos seus alunos, incluindo a residência como objecto de estudo e trabalho durante
um período lectivo inteiro. Destaca-se também a partilha de práticas artísticas e pedagógicas para a inclusão dos alunos
com necessidades especiais em todas as actividades desenvolvidas pela Escola Artística António Arroio e a Luzlinar.
Planeamento:

1 – Residência | Investigação e Criação com a duração até oito dias e a
participação até vinte e três alunos e seis professores. Serão disponibilizados: atelier e espaços adequados para a
realização dos projectos; apoio técnico e humano à realização; todos os materiais e ferramentas de trabalho necessários.
Tal como Alojamento e alimentação.
2 – Apresentação pública da experiência que os alunos tiveram nos laboratórios da Luzlinar.

 

Objectivos Específicos:

– Desenvolver projectos teórico-práticos com o intuito de enriquecer o currículo dos
alunos.
– Proporcionar aos alunos das escolas de ensino especializado, a realização de projectos artísticos não possíveis nas
instalações escolares.
– Desenvolver um conhecimento estético e uma experiência prática de intervenção na paisagem.
– Desenvolver competências que se baseiam sobretudo numa relação directa com a profissionalização futura.
– Fomentar o espírito crítico e o pensamento visual a partir de modelos contemporâneos estruturados em princípios
universalistas.