Centro da Cidade
Focamo-nos num aspecto da realidade – o da Vida Quotidiana.
Desenvolvemos uma cultura artística baseada em critérios universalizantes e recusamos juízos de gosto baseados em modas.
Assistimos a um cataclismo social, cultural e consequentemente artístico, onde o quotidiano das populações das cidades se
encontra refém de uma monotonia e deriva persistentes.
Temos a nossa sede/base de actividades no centro histórico de uma cidade da província – Cidade do Fundão – onde a
cultura artística é predominantemente aquela que se difunde através da televisão.
A possibilidade da população da Cidade do fundão contactar com a prática artística dos mais variados estádios de maturação,
nacionalidades, múltiplas áreas de conhecimento é praticamente residual e distante.

 

Vida Quotidiana
O quotidiano é a regularidade e a proximidade das relações possíveis que os indivíduos habitam.
O quotidiano contrapõem-se naturalmente aos grandes mecanismos, organizações e sistemas sociais.
Centramo-nos nas práticas e representações através das quais os diferentes indivíduos pactuam jurando quotidianamente a
sua integração social.

 

Relações e Proximidades

. Inventar modelos de observação com o indivíduo no centro.

1. Quotidiano/Espaço
A importância social e comum do espaço
O espaço símbolo da vivência
O espaço produto do quotidiano

2. Quotidiano/Tempo
Repetição contra Acontecimento
Rotura contra Repetição
Quotidiano contra o Tempo

3. Quotidiano/0
Dirigir-se ao CENTRO (reflectir)
Projectar (convocar)
Representar (criações artísticas)